O Globo

  • 0

O Globo

Category : Notícias

Empresas pouco endividadas e conservadoras foram às compras:

Grupos com dinheiro em caixa usaram oportunidade para crescer

Empresas que se prepararam para a crise aproveitaram para ir às compras em 2016. Em junho, o Grupo Ultra, dono da rede de postos de combustíveis Ipiranga, adquiriu a concorrente Ale por R$ 2,1 bilhões. Em novembro, foi a vez de a Ultragaz incorporar a Liquigás por R$ 2,8 bilhões.

André Pires, diretor financeiro e de Relações com Investidores da companhia, explica que a estratégia foi investir em mercados já conhecidos. Além de distribuir gás de cozinha (GLP) e combustíveis, o grupo atua nos segmentos de armazenagem para granéis líquidos (Ultracargo), indústria química (Oxiteno) e varejo farmacêutico (Extrafarma).

“Conhecemos bem os mercados de distribuição de combustíveis e GLP, e acreditamos que eles oferecem oportunidades para diferenciação por meio de oferta de serviços. Do ponto de vista financeiro, é importante lembrar que as aquisições serão feitas sem que o Ultra se afaste da solidez financeira que caracteriza historicamente a companhia. Temos uma confortável posição de caixa e acesso aos mercados de capitais”, explicou o executivo, por e-mail.

Outro caso emblemático foi o da gestora de ativos Brookfield. Como o Ultra, a companhia também se beneficiou de outro ativo da Petrobras: em setembro, arrematou 90% da divisão de gasodutos do Sudeste da petroleira por US$ 5,2 bilhões (ou R$ 16,6 bilhões, na cotação da época). Um mês depois, comprou 70% da Odebrecht Ambiental, do segmento de saneamento, por cerca de R$ 2,5 bilhões. Em anos anteriores, a empresa já havia feito outras aquisições importantes, como a compra de ativos de energia da Energisa por R$ 1,4 bilhão, em 2014.

Com as aquisições, a canadense fortalece sua posição no setor de infraestrutura. Antes das aquisições deste ano, a companhia já tinha R$ 7,6 bilhões em ativos no setor. Ao todo, são R$ 40 bilhões investidos no país. Procurada, a Brookfield não comentou.

MENOS FUSÕES EM 2016 Marco Saravalle, analista da XP Investimentos, destaca que ter dinheiro em caixa fez a diferença neste ano.

— Tem uma frase que a gente costuma dizer para resumir isso: cash is king (dinheiro é rei, em português). As empresas que se prepararam para um movimento de mais conservadorismo, uma estrutura de menor alavancagem, viram na crise uma oportunidade de fazer aquisições. No caso do Ultra, por exemplo, a Liquigás, apesar de ter um preço caro, é um negócio que faz sentido para a Ultragaz. Esse conservadorismo abriu oportunidades — explica Saravalle.

Para Rogério Gollo, sócio da área de fusões e aquisições da PwC, o momento também foi favorável para quem tinha dinheiro em caixa para expandir.

— Normalmente, as empresas têm dificuldade em se preparar para a crise. As que tinham estrutura financeira mais saudável têm grandes oportunidades que não teriam em situação normal. É uma chance de comprar excelentes ativos, que talvez se repita a cada oito, dez anos. Tivemos esse cenário em 2008, antes em 2002. Os grupos que têm estrutura financeira para isso conseguem fazer transações muito relevantes — analisa.

Levantamento da PwC mostra como foi mais raro ampliar os negócios em 2016. Até outubro, 490 transações de fusões e aquisições haviam sido fechadas, volume 21% inferior ao registrado no mesmo período. A expectativa para o ano que vem é de melhora, afirma Gollo.

— Nossa expectativa é que haja um aumento de 15% do número de transações, com a economia indo para um patamar normal.


Leave a Reply